Do amor sincero à traição: O que deu errado? Por que fui traído? Ou porque fui traída? Estas questões tão insistentes pelo desgosto da traição simbolizam o amor malogrado pelas vulnerabilidades. Muitos até procuram um vidente para entender o que deu errado. E até querem que o vidente traga o amor de volta.

Entretanto, cientistas comportamentais apontam que algumas pessoas apresentam uma disposição genética às tentações e, assim, têm dificuldades para manter uma relação de fidelidade.

Em contraposição, há aquelas pessoas naturalmente imunes à infidelidade, indicando que uma relação conjugal estável pode ter mesmo uma origem genética.

Além disso há o fato de que, com o passar dos anos, muitos casais se entregam à uma rotina insossa (sem tempero), desistem do erotismo, desistem inclusive de uma boa e animada conversa.

Gradativamente a vida a dois se torna menos estimulante e menos afrodisíaca. O resultado é que ele ou ela se sente impelido a buscar satisfação fora de casa.

Outra causa reside na curiosidade de saber como é o sexo fora do matrimônio. Ou então para sentir como é se divertir com outra pessoa. Ou até mesmo impulsionado pela necessidade da auto-afirmação (que, nesse caso, está relacionado com a insegurança, ou a vulnerabilidade). E ainda há aqueles que querem se sentir atraente, sexy.

Há também uma pesquisa feita por uma agência de matrimônio inglesa, a Ilicit Enconunters, revelando que 16% das mulheres e 8% dos homens assumiam nutrir fantasias com os colegas de trabalho. Entre os ingleses mais de 30% dos casos de infidelidade ocorrem com amantes (leia-se colegas) com quem se passa muito tempo no local de trabalho.

Aliás, na Inglaterra são 2,5 milhões de infiéis; desse montante, 31% são homens e 39% são mulheres, e todos tiveram um caso com algum colega do emprego. Para rematar, segundo a pesquisa os homens flertam mais do que as mulheres; apesar disso, são as mulheres que acabam concretizando a infidelidade.

O site de traição e relacionamentos The ohhtel descobriu que entre os 5.250 usuários brasileiros, 72% dos homens e 63% da mulheres já trairam seus cônjuges com colegas de trabalho. As mulheres costumam manter seus amantes do emprego por até 9 meses, enquanto entre os homens o relacionamento extraconjugal com uma amante do trabalho dura no máximo 3 meses.

Artigo escrito pelo Vidente Clayton  José Clayton Donizetti Vieira  |     07/01/2017 - 20:01:51 hs.  |   Artigos metafísicos, científicos e esotéricos  6º artigo

Próximo artigo  Próximo artigo:

Oráculos, uma consulta por respostas às nossas inquietações

Lista completa de artigos  Acessar a Lista completa de Artigos Esotéricos