A franqueza e ser verdadeiro (sincero) são qualidades, virtudes que na sociedade atual destinada geralmente à hipocrisia, a falsidade, ao individualismo (interesses pessoais como prioridade) e ao egoísmo fazem com que as pessoas francas e sinceras sejam severamente condenadas pela comunidade no qual vive.

É justamente por isso que a franqueza deve ser expressada apropriadamente, de maneira amistosa, amigável e branda. Uma atitude desta categoria pode reverter o franco em alguém muito confiável e, desse modo, agregar pessoas do mesmo nível, tal como o ditado "os semelhantes se atraem".

Seja como for, vale questionar: Há uma fronteira que divide a franqueza da descortesia? O escritor, poeta e dramaturgo britânico Oscar Wilde (1854/1900) escreveu: "Pouca sinceridade é uma coisa perigosa, e muita sinceridade é totalmente fatal". Analisando sob esse prisma podemos dizer que sim, a franqueza pode ser considerada uma grosseria. Por isso, como dito acima, a atitude amistosa ao ser sincero constitui a diferença entre a indelicadeza e a confiabilidade.

Portanto, franqueza é expressar aquilo que pensa de forma consciente e amigável, enquanto a sinceridade rude é a total ausência de empatia (sintonia e identificação) com o próximo.

A conclusão é óbvia, podemos usar a franqueza para praticar a empatia ou para exercer a antipatia (repulsa ao próximo). A escolha de conduta depende diretamente da característica psicológica e emocional de cada um.

Em resumo, a franqueza é atuar com a verdade o tempo todo. E a verdade tem o potencial de ferir sensibilidades. Consequentemente, optar pela empatia ou pela antipatia na hora de dizer a verdade (ou o que pensa ser a verdade) revela a personalidade tal como ela é, com seus defeitos, ou com seus atributos.

Aliás, em relação a verdade, o escritor e filósofo libanês Khalil Gibran (1883/1931) escreveu: "A verdade de outra pessoa não está no que ela fala para você, mas naquilo que não pode ser dito. Portanto, se quiseres compreendê-la, não escute o que ela diz, mas antes, o que ela não diz".

Artigo escrito pelo Vidente Clayton  José Clayton Donizetti Vieira  |     08/01/2017 - 23:45:59 hs.  |   Artigos metafísicos, científicos e esotéricos  27º artigo

Próximo artigo  Próximo artigo:

Como reconhecer o Mal em nossa vida

Lista completa de artigos  Acessar a Lista completa de Artigos Esotéricos